CORES LITURGICAS



 

As diferentes cores das vestes litúrgicas visam manifestar externamente o caráter dos mistérios celebrados, e também a consciência de uma vida cristã que progride com o desenrolar do ano litúrgico. No princípio havia uma certa preferência pelo branco. Não existiam ainda as chamadas "cores litúrgicas". Estas cores foram fixadas em Roma no século XII. Em pouco tempo os cristãos do mundo inteiro aderiram a este costume.

 

Basicamente, são quatro as cores litúrgicas: branco, vermelho, verde e roxo.

 

O branco simboliza a pureza e é usado nos tempos do Natal e da Páscoa, bem como nas comemorações de Nosso Senhor Jesus Cristo (exceto as da Paixão), da Virgem Maria, dos Anjos e dos Santos não-mártires.

 

O vermelho, símbolo do fogo da caridade, usa-se nas celebrações da Paixão do Senhor, no domingo de Pentecostes, nas festas dos Apóstolos e Evangelistas, e nas celebrações dos Santos Mártires.

 

O verde, sinal de esperança, é usado na maior parte do ano, no período denominado Tempo Comum.

Para os tempos do Advento e da Quaresma, a Igreja reservou o roxo, a cor da penitência. E estabeleceu duas exceções, que correspondem a dois interstícios de alegria em épocas de contrição: no 3º domingo do Advento e no 4º domingo da Quaresma, o celebrante pode trajar paramentos rosa.

 

Em circunstâncias solenes, pode-se optar pelo dourado em lugar do branco, do vermelho ou do verde. Em alguns países é permitido utilizar o azul, nas celebrações em honra de Nossa Senhora. E nas Missas pelos fiéis defuntos o celebrante pode escolher entre o roxo e o preto.

 

Revestido assim, de acordo com as sábias determinações da Santa Igreja, o sacerdote sobe ao altar para o Sagrado Banquete, tornando claro a todos, e a si mesmo, que está atuando na pessoa de Outro, ou seja, de Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

 

Contato

O USO DA COR AZUL

A cor azul não é uma cor litúrgica própria do Rito Romano. Contudo, em 1864 o Papa Pio IX concedeu à Espanha o privilégio de usar paramentos azuis na Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Maria, devido à contribuição desse país na definição do dogma. Este privilégio é aplicável não só à Espanha, mas também a todos os países que foram colônias espanholas. Posteriormente, tal privilégio foi concedido também à Áustria, aos carmelitas e a alguns santuários marianos, sendo também estendido para todas as festas marianas. Cumpre notar que o Brasil não possui este privilégio. Para adquiri-lo, é necessário que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) faça um pedido formal à Santa Sé e receba resposta favorável.

Nem a CNBB, nem um bispo e muito menos um sacerdote têm autoridade para alterar as cores litúrgicas. Em suma, a menos que a Santa Sé autorize, usar paramentos azuis no Brasil constitui abuso litúrgico. Não obstante, nada impede que nas festas marianas se use um paramento branco com detalhes azuis, desde que o branco predomine.