Família é escola de comunicação, diz Papa em mensagem

23/01/2015 08:54

Mensagem do Papa para Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015 foi apresentada hoje pelo Vaticano; no tema central, a família

Jéssica Marçal - Da Redação

Papa saúda família na Praça São Pedro, no Vaticano / Foto: Arquivo - L'Osservatore Romano

Papa saúda família na Praça São Pedro, no Vaticano / Foto: Arquivo – L’Osservatore Romano

O Vaticano publicou nesta sexta-feira, 23, a mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações Sociais que, neste ano, será celebrado em 17 de maio.

A mensagem tem como tema “ Comunicar a família: ambiente privilegiado do encontro na gratuidade do amor”. Trata-se de uma escolha do Papa de colocar a data comemorativa em sintonia com o processo sinodal sobre família, que se conclui em outubro desse ano.

Acesse
.: Íntegra da mensagem

“A família é o primeiro lugar onde aprendemos a comunicar”, escreve o Papa, destacando que a família tem a capacidade de ser comunicada e comunicar e, além disso, de transmitir a forma fundamental de comunicação: a oração.

“A maioria de nós aprendeu, em família, a dimensão religiosa da comunicação, que, no cristianismo, é toda impregnada de amor, o amor de Deus que se dá a nós e que nós oferecemos aos outros”.

O Santo Padre reconhece que não existe família perfeita, mas é preciso aprender a lidar com a imperfeição de forma construtiva. “Uma criança que aprende, em família, a ouvir os outros, a falar de modo respeitoso, expressando o seu ponto de vista sem negar o dos outros, será um construtor de diálogo e reconciliação na sociedade”.

Francisco menciona ainda na mensagem o caso de famílias que têm filhos com alguma deficiência, seja ela motora, sensorial ou intelectual. Nessa realidade, ele diz que há a tentação de fechar-se, mas o amor dos pais, irmãos e amigos pode ser um estímulo à abertura, a comunicar de modo inclusivo.

Meios modernos: dificultar e auxiliar

Os meios modernos de hoje podem tanto ajudar como dificultar a comunicação em família, diz o Papa. Dificultam quando se tornam uma forma de isolamento, mas podem favorecer quando ajudam a permanecer em contato com os de longe, agradecer e pedir perdão, tornando possível o encontro.

“Descobrindo diariamente este centro vital que é o encontro, este ‘início vivo’, saberemos orientar o nosso relacionamento com as tecnologias, em vez de nos deixarmos arrastar por elas”.

O Papa também aborda o modo como os meios de comunicação social falam da família. Muitas vezes, apresentam-na como um modelo abstrato a aceitar ou rejeitar, e não como uma realidade concreta a ser vivida.

“A família mais bela, protagonista e não problema, é aquela que, partindo do testemunho, sabe comunicar a beleza e a riqueza do relacionamento entre o homem e a mulher, entre pais e filhos. Não lutemos para defender o passado, mas trabalhemos com paciência e confiança, em todos os ambientes onde diariamente nos encontramos, para construir o futuro”, conclui o Papa.