ANO LITURGICO

ANO LITURGICO

“Revela todo mistério de Cristo no decorrer do ano, desde a encarnação e nascimento até a ascensão, ao pentecostes, à expectativa da feliz esperança e da vinda do Senhor”(SC,102)

 

O Ano Litúrgico é o tempo que marca as datas dos acontecimentos da História da Salvação. Não é como o ano civil, que começa em 1º de Janeiro e termina em 31 de dezembro, mas começa no 1º domingo do Advento (preparação para o Natal) e termina no último sábado do tempo comum, que é na véspera do 1º domingo do Advento, com a festa de Cristo Rei.

 

Durante o ciclo anual, desenvolve-se todo o mistério de Cristo, comemorando-se também os aniversários dos Santos.

 

Seguindo a tradição apostólica, o Domingo é o dia da celebração do mistério pascal. É o principal dia de festa, pois cada Domingo é uma páscoa.

 

 

Nos primeiros tempos do cristianismo havia somente os domingos. Cada domingo era de festa.  Celebrava-se o mistério Pascal: morte e ressurreição do Senhor.  Com o tempo, os cristãos começaram a celebrar um destes domingos de modo especial: chamado o domingo da Páscoa.

 

Depois, celebravam em  dias   determinados   do   ano,   uma   festa   especial   ou   outros acontecimentos  importantes da vida de Cristo:  Nascimento,  Epifania,  Ascensão,  Pentecostes.

 

Assim teve origem a festa do Ano Litúrgico.

 

1.1 Ciclo do Natal

 

ADVENTO – Inicia o ano litúrgico, compondo-se de 4 semanas. Não é um tempo de festa, mas de alegria moderada e preparação para receber Jesus.

 

NATAL – É comemorado com alegria, pois é a festa do nascimento do Salvador. Nesse período destacamos a Epifania do Senhor, que é celebrada no Domingo seguinte ao natal e dura 3 semanas, sendo uma festa que lembra a manifestação de Jesus como Filho de Deus. No ciclo de Natal também são celebradas as festas da da Apresentação do Senhor no dia 02 de fevereiro, da Sagrada Família, de Santa Maria Mãe de Deus e do Batismo de Jesus.

 

1.2 Tempo comum- 1ª parte

 

Começa após o batismo de Jesus e acaba na terça antes da quarta-feira de Cinzas.

 

1.3 Ciclo da Páscoa

 

QUARESMA - Tempo forte de conversão e penitência, jejum, esmola e oração. É um tempo de 5 semanas em que nos preparamos para a Celebração da Páscoa. Não se diz "Aleluia", nem se colocam flores na igreja, não devem ser usados muitos instrumentos e não se canta o Hino de Louvor. É um tempo de sacrifício e penitências, não de louvor.

 

Senana Santa visa recordar a paixão de Cristo, desde sua entrada messiânica em Jerusalém. Na Quinta-feira santa, o bispo bronze os óleos e concelebra com seus presbíteros, como sinal visível de comunhão e participação.

 

PÁSCOA - Começa com a ceia do Senhor na quinta-feira santa. Neste dia é celebrada a Instituição da Eucaristia e do sacerdote. Na sexta-feira celebra-se a paixão e morte de Jesus. É o único dia do ano que não tem missa. Acontece apenas uma Celebração da Palavra. No sábado acontece a solene Vigília Pascal. Forma-se então o Tríduo Pascal que prepara o ponto máximo da páscoa: o Domingo da Ressurreição. A Festa da Páscoa não se restringe ao Domingo da Ressurreição. Ela se estende até a Festa de Pentecostes.

 

Pentecostes: É celebrado 50 dias após a Páscoa. Jesus ressuscitado volta ao Pai e nos envia o Paráclito. A aleluia é o simbolo da alegria deste tempo. Os domingos são I, II, etc de páscoa. No 40° dia de páscoa, celebra-se a ascensão do Senhor, no Brasil, transferida para o VII Domingo da páscoa, ou seja, o Domingo seguinte, ao 40° dia da páscoa.

 

1.4 Tempo Comum – 2ª parte

 

Começa na segunda após Pentecostes e vai até o sábado anterior ao 1º Domingo do advento. Ao todo são 34 semanas. É um período sem grandes acontecimentos. É um tempo que nos mostra que Deus se fez presente nas coisas mais simples. É um tempo de esperança e acolhimento da Palavra de Deus.

 

 "O Tempo comum não é tempo vazio. É tempo de a Igreja continuar a obra de Cristo nas lutas e nos trabalhos pelo Reino." (CNBB - Documento 43, 132)