SEMANA SANTA 2020

Roteiros de celebração

Estamos vivendo um momento de grandes oportunidades e desafios. Assim,na impossibilidade de sair de nossas casas para participar das festas pascais com a comunidade, pensamos em roteiros de celebração que podem ser realizados em casa, seja individualmente,seja pela família ou em pequenos núcleos.Optamos por roteiros que garantem o essencial de cada celebração litúrgica e que, de forma bem simples, podem ser conduzidos por alguém da família,sem dificuldades.

 

Jesus mesmo é quem dá legitimidade a essas pequenas igrejas nas casas. Em sua vida, muitas vezes ele visitou as residências, sentou-se à mesa, conviveu com as pessoas. Foi ele quem disse: onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, aí estarei no meio deles. Depois de sua ressurreição, as comunidades cristãs se reuniam, também, nas casas, na continuidade de uma prática que vinha, já, desde atradição judaica.

 

Graças ao batismo, qualquer núcleo familiar, nas suas várias configurações, é uma pequena Igreja, uma Igreja doméstica, conforme denominou o ConcílioVaticano II. Ela realiza em pequena medida o que toda a Igreja é chamada a realizar.

 

Assim como a Igreja só acontece plenamente na liturgia, também a igreja da casa precisa da liturgia para expressar-se de forma plena. Apenas o estilo de uma e de outra será diferente. Na casa a liturgia terá uma forma mais simples, essencial, mas por ela podemos, igualmente,escutar e meditar a palavra de Deus, erguer a Ele os nossos corações, partilhar o pão da nossa mesa em ação de graças, alegrar-nos com a presença de Jesus em nosso meio.

 

Esta liturgia da casa ganha visibilidade especial neste momento em que só a nossa casa se oferece como lugar seguro de reunião. Mais do que assistir,temos a oportunidade de celebrar em família a nossa fé no Cristo que passou da morte à vida.

 

São os roteiros:

- memória da entrada de Jesus em Jerusalém no Domingo de Ramos;  

- memória da ultima ceia e do Lava-pés,na quinta-feiraà noite;

- memória da Paixão, na sexta-feira à tarde;

-  memória da Sepultura do Senhor, no sábado durante o dia ; e

- memória da Ressurreição, na vigília pascal e no domingo de Páscoa.

 

O roteiro de cada celebração tanto pode ser impresso em uma única folha, como pode, também, ser seguido usando o próprio celular. Sugerimos que dentro do possível se organize a reunião em círculo e que,no centro, se coloque o símbolo a ser usado em cada celebração:  ramos, cruz, vela, etc.

 

Penha Carpanedo, da Congregação Discípulas do Divino Mestre (Apostolado litúrgico), redatora da Revista de Liturgia, membro da Rede Celebra de animação litúrgica

Para este no de 2020 a CNBB propõe que Domingo de Ramos seja celebrado de modo especial em tempos de coronavírus

Destaque-1200x762-c

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) convida a todos a viverem de forma muito especial o Domingo de Ramos durante a quarentena do coronavírus. Cada um e cada família, em suas casas, são chamados a celebrar o próximo domingo com fé e esperança. Por isso, A CNBB propõe cinco pontos para ajudar os fiéis na celebração do Domingo de Ramos.

Vamos celebrar o Domingo de Ramos?

1. Rezar pedindo a graça de bem viver a Semana Santa, ainda que em recolhimento em casa.

2. Colocar no portão ou na porta de casa (em lugar bem visível) alguns ramos. Marcar a casa é uma característica do povo de Deus.

3. Participar das celebrações transmitidas pela televisão ou pelas redes sociais.

4. Comprometer-se a, no futuro, participar ativamente da Coleta da Campanha da Fraternidade. Com ela, ajudamos os mais pobres.

5. Motivar pelas redes sociais, telefonemas ou outros meios que mantenham o distanciamento social, outras pessoas a também celebrarem o domingo de Ramos desse mesmo modo.

 

Fonte: CNBB

CNBB divulga tradução do decreto da Congregação para o Culto Divino sobre a Semana Santa

Decreto-Semana-Santa-1200x762-c

A Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) disponibilizou, na desta sexta-feira, 20, a tradução do decreto da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos sobre as celebrações das próximas semanas, em especial da Semana Santa deste ano de 2020, quando a pandemia da covid-19 impede a participação dos fiéis nas celebrações. Além do decreto, que pode ser baixado no link abaixo, outros materiais serão oferecidos pela CNBB, conforme orientação da Santa Sé.

 

Baixe aqui o documento traduzido pela Comissão para a Liturgia da CNBB.

 

Confira um trecho do documento:

No tempo difícil que estamos vivendo, devido à pandemia de Covid-19, considerando o caso de impedimento para celebrar a liturgia comunitariamente na igreja, tal como os bispos o têm indicado para os territórios de sua competência, chegaram a esta Congregação consultas relativas às próximas festividades pascais.

1 – Sobre a data da Páscoa. Coração do ano litúrgico, a Páscoa não é uma festa como as outras: celebrada no arco de três dias, o Tríduo Pascal, precedida pela Quaresma e coroada pelo Pentecostes, não pode ser transferida.

2 – A Missa crismal. Avaliando o caso concreto nos diversos países, o Bispo tem a faculdade de a adiar para data posterior.
Indicações para o Tríduo Pascal.

3 – Onde a autoridade civil e eclesial impôs restrições, atenda-se ao que se segue em relação ao Tríduo Pascal.

Os Bispos darão indicações, de acordo com a Conferência Episcopal, para que na Igreja Catedral e nas Igrejas paroquiais, mesmo sem a participação dos fiéis, o bispo e os párocos celebrem os mistérios litúrgicos do Tríduo Pascal, avisando os fiéis da hora de início de modo a que se possam unir em oração nas respectivas habitações. Neste caso são uma ajuda os meios de comunicação por telas ao vivo, não gravada.

A Conferência Episcopal e cada Diocese não deixem de oferecer subsídios para ajudar a oração familiar e pessoal.

 

Fonte: CNBB